O homem propriamente dito deve tomar consciência de sua substância. Assim sendo, o novato passa de um grau para outro, da disciplina corporal para a disciplina emocional e daí para a intelectual. Os três grupos combinam-se para formar um desdobramento progressivo das suas capacidades e de sua compreensão. É importante notar que se trata de etapas e não terminais. A verdade aprendida é sempre proporcional ao nível de compreensão do indivíduo. - PB

A necessidade da Graça - parte 1

A subjugação do ego é uma Graça a ser conferida e não um ato que possa ser feito pelo indivíduo.

O ataque frontal sobre as fraquezas e faltas do ego poderá levar a certos resultados benéficos, tais como a redução do tamanho delas e a diminuição de seu poder, ou á total repressão superficial delas, mas não poderá levar à sua total eliminação. Todos os métodos que dissolvem as falhas e fraquezas do eu ainda mantêm o próprio ego não dissoluto. Todas as técnicas que transformam as qualidades e atributos do ego ainda mantêm a raiz do ego sem mudanças.

Ele descobrirá que nenhum indivíduo poderá negar totalmente seu ego e nem sair dele através de suas próprias tentativas; alguma ajuda, alguma intervenção, alguma Graça vinda de fora será necessária.

Não haveria nenhuma esperança de algum dia se livrar dessa posição centrada no ego se não soubéssemos das três coisas seguintes: primeiro, que o ego é somente um acúmulo de memórias e uma série de desejos, quer dizer, ele é pensamento, uma entidade fictícia. Segundo, a atividade do pensamento pode chegar ao fim dentro do silêncio. Terceiro, a Graça – esta radiação do Poder além do ser humano – sempre está presente e irradiando a Si mesma. Se conseguirmos que a mente se torne profundamente silenciosa e profundamente observadora do instinto de autopreservação do ego, abriremos uma porta para a Graça que, amorosamente, nos absorverá.

Na última batalha, quando ficarmos face a face com nosso ego, quando retirarmos todos os seus disfarces de proteção e expusermos sua vulnerabilidade, teremos de apelar para a ajuda da Graça, pois não poderemos vencer essa batalha só através de nossos próprios poderes.

Aquilo que nos mantém ocupados com um tipo de atividade uma atrás da outra – tanto mental como física – até que, cansados, caiamos de sono, não passa do ego. Dessa forma, ele desvia nossa atenção da necessidade de nos engajarmos na atividade de suprema importância – a luta e destruição do próprio ego.

Esta redução do ego poderá ocupar toda uma vida e, mesmo assim, não parecer ter sido bem sucedida. Contudo, ela é da maior importância como um processo preparatório para a total remoção do ego para que a Graça, de súbito, venha a ascender ao coração. 

O interesse do ego na sua própria transcendência é espúrio. Por isso, se faz necessário a Graça. 

O ego terá de ser arrebentado em pedaços, se isso for necessário, para que a Graça desça e abra o caminho, substituindo assim a arrogância pela passividade.

A destruição de nosso egoísmo terá de vir de fora, caso nós voluntariamente, não a façamos de dentro. No primeiro caso, ela virá implacável e esmagadoramente. Pois não há como o ego permanecer.

Poderá gostar de

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O curandeiro não "faz" ou "dá" algo ao paciente, mas ajuda-o a voltar para o Todo, para o caminho da "Unidade" com o Universo; neste "encontro" o paciente se torna mais completo, e isto é cura. Nas palavras de Arthur Koestler: "Não há linha divisória nítida entre a auto-reparação e a auto-realização". - Lawrence LeShan

Observe, você não é aquilo que você pensa que é. Você não é somente aquilo que seu o seu meio ambiente lhe fez. Há mais realidade em si do que aquela que lhe é dada social e externamente. Você possui outra personalidade bastante diferente daquela que você mesmo tem certeza de que você é. — Gopi Krishna

A meditação em si, não é o Caminho. O Caminho é o CONTATO! A meditação apenas serve de meio para atingirmos o silêncio interior, onde o CONTATO é feito. — Joel S. Goldsmith

"Senhor, como uma ovelha perdida que anda de um lado para outro, procurando o caminho, também eu te procurava no exterior, quando Tu estavas em mim... Percorri ruas e praças da cidade deste mundo, buscando-Te sempre... e não Te encontrei porque em vão procurava fora o que estava dentro de mim." - Agostinho

"A paz que você procura está no silêncio que você não faz"

"Melhor seria viver apenas um único dia no aperfeiçoamento de uma boa vida em meditação do que viver cem anos de forma má e com uma mente indisciplinada.

Melhor seria viver apenas um único dia na busca do entendimento e da meditação do que viver cem anos na ignorância e na imoderação.

Melhor seria viver apenas um único dia no começo de um diligente esforço do que viver cem anos na indolência e inércia.

Melhor seria viver apenas um único dia pensando na origem e na cessação do que é composto do que viver cem anos sem pensar em tal origem e cessação.

Melhor seria viver apenas um único dia na percepção do estado Imortal do que viver cem anos sem tal percepção.

Melhor seria viver apenas um único dia conhecendo a Doutrina Excelsa do que viver cem anos sem conhecer a Doutrina Excelsa". — O Buda, dos DHARMMAPADA

Velai incessantemente para que não haja em vosso coração nenhum pensamento, nem insensato, nem sensato: não tardareis a reconhecer os estrangeiros, isto é, os primogênitos dos egípcios. — Hesíquio, o Sinaíta (Século VIII)