O homem propriamente dito deve tomar consciência de sua substância. Assim sendo, o novato passa de um grau para outro, da disciplina corporal para a disciplina emocional e daí para a intelectual. Os três grupos combinam-se para formar um desdobramento progressivo das suas capacidades e de sua compreensão. É importante notar que se trata de etapas e não terminais. A verdade aprendida é sempre proporcional ao nível de compreensão do indivíduo. - PB

Sobre a Perene Consciência Amorosa Integrativa

     Será uma espécie de fantasma que à maneira de um irmão siamês não se desgruda do indivíduo? Será um apêndice psicológico agregado no cérebro como um excrescência? Perguntas contendo essas implicações têm realmente sido dirigidas ao autor, dando azo à necessidade de uma ulterior definição.

     Antes de responder à pergunta, o autor deseja tornar claro que está lidando com um assunto realmente inexpressável, salvo para aqueles a quem a vida já proporcionou a experiência necessária, de maneira que ele compreende perfeitamente que as palavras seguintes poderão muito bem não satisfazer a todos. Isto não se pode evitar. As palavras são simples expressões dos pensamentos, o produto do intelecto. Aqui estamos lidando com uma região que transcende o intelecto. O único método adequado para expressar essa região é o o uso de não palavras, isto é, o uso de um profundo silêncio telepático. Um livro, sendo uma coleção de palavras, é um método rasteiro de comunicação, não obstante, tem a sua razão de ser, desde que desperte estados de espírito, crie uma atmosfera e prepare condições mentais que tornem possível a verdadeira iluminação.

     Embora o Eu Superior seja na realidade uma Unidade, intelectualmente ser considerado de ponto de vista diferentes, e assim sendo poderemos constatar que possuí diferentes aspectos. Seja o que for, o essencial, antes de mais nada, é captar a ideia de sua natureza unitária. O Eu Superior não se compõe de diversas camadas ou seções do nosso ser, mas é na verdade o ponto central, o âmago vivo do próprio homem.

     Em primeiro lugar, pode-se dizer que o Eu Superior é primordialmente o ser essencial do homem, o todo importante resíduo que sobra com a eliminação do pensamento de identificação com o corpo físico e com o intelecto. Convém assinalar o realce emprestado à palavra "pensamento" nesta sentença. Cientistas como Jeans e Eddington nos dizem que o universo é na realidade uma ideia, mas como o corpo é uma parte desse universo, nos é lícito considerá-lo como uma ideia também. O que é uma ideia, porém, isso não nos dizem aqueles homens da ciência. Este é o passo seguinte no aprendizado, pois através de constantes indagações e análises, as ideias se assimilarão um dia no Eu Superior dentro do qual estão enraizadas. 

     O Eu Superior é a força criativa que dá à luz o ego pessoal, sustenta-o durante um período cósmico e a seguir reabsorve-o no seu seio. Esta é a explicação da ousada frase panteísta de S.Paulo: "Nele vivemos, atuamos e somos".

     Invisível, intangível dínamo da vida, alimentando a existência das suas criaturas, vida destilada até a última gota — também isso é o Eu Superior. Não nos é possível dar vida a um só pensamento ou tomar um só fôlego sem que no ato sejamos assistidos por ele. A mais minúscula molécula do estômago, dos pulmões e da face, tudo se baseia na instância do invisível. Ele é o eixo de uma roda para qual todos os raios — corpo, intelecto e sentimento — basicamente convergem.

     Assim como um único raio de sol não pode ser separado do sol propriamente dito, assim o átomo do Eu Superior no corpo não pode ser separado do pai — Deus no Universo. Quando, no capítulo anterior, se disse, que o Eu Superior reside no coração, poder-se-dia ter acrescentado mais uma coisa a essa declaração. De fato, aquilo que até agora foi explicado é apenas relativamente verdadeiro, foi contado de um ponto de vista parcial, pois é preciso que o leitor seja gradualmente preparado para a revelação final que será feita agora.

     Aquilo que existe no interior do ser humano na qualidade de centro do Eu Superior, existe também fora dele no Espírito Universal, do qual é um fragmento.

     A posição é paradoxal , pois não há senão um eu Superior, um eu universal divino residindo em todos os homens. Não há um Eu Superior separado para cada indivíduo, por assim dizer. O monismo é a verdade verdadeira. "Eu sou um em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós", anunciou o Eu Superior através das palavras de Jesus. Não há senão um Eu Superior para todos os corpos, e não um para cada indivíduo. Não há milhões de Eus Superiores eternos, apenas milhões de individualidades perecíveis. 

     Aquilo que parece num homem como divino quando o ego pessoal é subjugado, é precisamente aquilo que aparece em todos os demais homens. Assim como um raio de sol qualquer não difere em qualidade do sol propriamente dito, assim também o átomo do Eu Superior, o raio de Deus, não difere do sol de Deus do qual emana.

     Assim o Eu Superior é tanto um ponto matemático vazio como o espaço circundando um universo, numa aliança sagrada. Essa asserção paradoxal contraria a lógica comum e o bom-senso; ela não pode ser devidamente apreendida pelo intelecto; um conglomerado de palavras não é capaz de captar o significado etéreo e enganoso; ela só pode ser compreendida e captada quando a razão houver viajado até o seu limite extremo, para depois sair em inatividade diante de uma presença  tão excelsa.

     O Eu Superior é eterno. Em momento algum esteve distanciado de nós. Nós, contudo, deixamo-Lo passar despercebido. No seu seio etéreo nós vivemos para sempre.

     "Homem algum poderá ver Deus e viver", é o que nos diz o Velho Testamento. O real significado dessas palavras é que nenhum ego individual pode entrar no eu Superior e prosseguir na sua antiga e limitada existência pessoal. Tão logo o ego mergulha no Eu Superior, ele se dissolve, totalmente tranquilizado, na unidade desse último, e de agente se conserva em paciente.

     Nós não "vemos" o Eu Superior; nós o apreendemos. As visões apenas revelam as suas mais belas vestimentas, seus mantos de luz deslumbrante, mas mantos apenas. 

     Nós não contemplamos a beleza do Eu Superior, nosso ser se dissolve no seu hálito e nos tornamos aquilo que o poeta, o pintor, o escultor e o músico procuram mas raramente encontram.

     O Eu Superior é a realidade suprema, mas a sua realidade é demasiado sutil, demasiado refinada, demasiado rara, para ser expressa de forma audível. O melhor é saboreá-la em alentados silêncios.

     O Eu Superior é o raio de Deus no homem, o Infinito incomensurável que impregna o ser mensurável, o verdadeiro espírito  anterior à criatura humana; é aquilo que o homem tem de inteiramente isento da marca das paixões, dos desejos e das fraquezas. É para o homem o pináculo de toda a moralidade genuína, a perfeição de toda a ética verdadeira, porque lhe fala de sua unicidade com todo ser vivo — homem ou animal — e, em consequência inculca o dever primordial da compaixão universal.  O Eu Superior não expressa senão a si próprio. Não expressa a moralidade ou a virtude (que são coisas do homem). O Eu Superior independe delas; nos criamos e recriamos nossa moralidade de tempos em tempos, mas a ética do Eu Superior é eterna e imutável. Contudo, toda a moralidade provém, em última instância, da sua fonte gloriosa, e a toda a virtude é por último concedida através do seu toque benigno. Aquele que vive à sua luz é superior em caráter ao homem bom, assim como o homem bom é superior ao homem maldoso.

     Finalmente, o Eu Superior é o sentimento do eu aprofundado, divinizado e por derradeiro convertido no elemento transcendente em que tal sentimento se origina.

Paul Brunton em, "A Busca do Eu Superior", Editora Pensamento, São Paulo, 1983

Poderá gostar de

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
O curandeiro não "faz" ou "dá" algo ao paciente, mas ajuda-o a voltar para o Todo, para o caminho da "Unidade" com o Universo; neste "encontro" o paciente se torna mais completo, e isto é cura. Nas palavras de Arthur Koestler: "Não há linha divisória nítida entre a auto-reparação e a auto-realização". - Lawrence LeShan

Observe, você não é aquilo que você pensa que é. Você não é somente aquilo que seu o seu meio ambiente lhe fez. Há mais realidade em si do que aquela que lhe é dada social e externamente. Você possui outra personalidade bastante diferente daquela que você mesmo tem certeza de que você é. — Gopi Krishna

A meditação em si, não é o Caminho. O Caminho é o CONTATO! A meditação apenas serve de meio para atingirmos o silêncio interior, onde o CONTATO é feito. — Joel S. Goldsmith

"Senhor, como uma ovelha perdida que anda de um lado para outro, procurando o caminho, também eu te procurava no exterior, quando Tu estavas em mim... Percorri ruas e praças da cidade deste mundo, buscando-Te sempre... e não Te encontrei porque em vão procurava fora o que estava dentro de mim." - Agostinho

"A paz que você procura está no silêncio que você não faz"

"Melhor seria viver apenas um único dia no aperfeiçoamento de uma boa vida em meditação do que viver cem anos de forma má e com uma mente indisciplinada.

Melhor seria viver apenas um único dia na busca do entendimento e da meditação do que viver cem anos na ignorância e na imoderação.

Melhor seria viver apenas um único dia no começo de um diligente esforço do que viver cem anos na indolência e inércia.

Melhor seria viver apenas um único dia pensando na origem e na cessação do que é composto do que viver cem anos sem pensar em tal origem e cessação.

Melhor seria viver apenas um único dia na percepção do estado Imortal do que viver cem anos sem tal percepção.

Melhor seria viver apenas um único dia conhecendo a Doutrina Excelsa do que viver cem anos sem conhecer a Doutrina Excelsa". — O Buda, dos DHARMMAPADA

Velai incessantemente para que não haja em vosso coração nenhum pensamento, nem insensato, nem sensato: não tardareis a reconhecer os estrangeiros, isto é, os primogênitos dos egípcios. — Hesíquio, o Sinaíta (Século VIII)